Aqui Você Ver Tudo Que Acontece No Mundo Do Futebol

Páginas

Relogio

terça-feira, 23 de setembro de 2014

NO SERRA DOURADA, GOIÁS MASSACRA O PALMEIRAS E O AFUNDA NA LANTERNA: 6 A 0

Jackson e Cristaldo Goiás x Palmeiras (Foto: Adalberto Marques / Ag. Estado)
O Goiás afundou o Palmeiras na lanterna do Campeonato Brasileiro. E com uma goleada daquelas difíceis de esquecer. Sem muita dificuldade, o Esmeraldino aplicou 6 a 0 no adversário, neste domingo, no Serra Dourada, pela 23ª rodada da competição. Com um gol atrás do outro (quatro no primeiro tempo e dois no segundo), os donos da casa ganharam fôlego para alçar voos maiores na tabela e nocautearam o desesperado adversário, que sofreu sua maior derrota na história dos Brasileiros, empatando com os 6 a 0 sofridos para o Inter em 1981, no Beira-Rio.
Com essa vitória, a equipe goiana sobe para a décima colocação, com 30 pontos. 
E o Palmeiras, com 22, amarga a última colocação de forma preocupante. Os dois voltam a campo pelo Campeonato Brasileiro na próxima quinta-feira, às 19h30. O time goiano visita o Botafogo, no Rio de Janeiro, e a equipe paulista, em clima mais tenso, receberá o Vitória, no Pacaembu.
O jogo

O Goiás não precisou de muito esforço para derrubar o Palmeiras no Serra Dourada. Em todos os quatro gols marcados no primeiro tempo, o time de Goiânia contou com a colaboração dos palmeirenses. As falhas foram seguidas. João Pedro, Victorino, Victor Luis, Lúcio, Deola...
E olha que o Palmeiras até começou com iniciativa. Cristaldo teve chance, mas desperdiçou. Já o Goiás... Aos seis, Ramon passou nas costas de João Pedro e abriu o placar. Aos 11, Victorino errou, e Esquerdinha foi acionado para marcar. Aos 27, Victor Luiz vacilou, e Erik fez. E aos 26, David aproveitou tiro livre indireto: 4 a 0 - Lúcio e Deola bobearam.
Desesperado, o palmeirense Dorival Júnior fez logo as três mudanças no intervalo. Josimar, Juninho e Cristaldo deram lugar a Henrique, Bernardo e Bruno César. Só que não deu tempo de saber se mudaria alguma coisa. Logo aos três minutos, o quinto gol do Goiás. Thiago Mendes pegou de primeira, após rebote de Lúcio.
Sem mais nada a perder, o Palmeiras partiu para o campo de ataque na tentativa de amenizar o vexame no Serra Dourada. Tentou com Henrique, com Diogo, com Bernardo, mas não havia forças para reação. Para piorar, Allione foi expulso por falta dura em Esquerdinha, e Victorino, machucado, teve de seguir em campo porque o técnico já havia feito as três substituições. Com a defesa adversária aberta, o Goiás ainda teve tempo de ampliar para 6 a 0, com gol de Wellington Júnior, em falha de Deola.

DUDU DESENCANTA, GRÊMIO VENCE A CHAPECOENSE E SEGUE COLADO NO G-4

Grêmio Chapecoense Arena Campeonato Brasileiro (Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA)
Pelo sexto jogo consecutivo sem sofrer gols, o Grêmio conseguiu se aproximar do G-4 do Brasileirão ao vencer a Chapecoense por 1 a 0 neste domingo, na Arena, pela 23ª rodada. O time catarinense, embalado pelos últimos resultados, até teve algumas chances, mas não com a qualidade suficiente para furar o bloqueio tricolor. E se o Tricolor Gaúcho manteve eficiência na defesa, na frente um jogador acabou com triste sina. Dudu desencantou após 19 jogos sem balançar as redes ao fazer o gol da vitória, aos 7 minutos do primeiro tempo.
Foi o primeiro gol do jogador na competição. Com o resultado, o Grêmio subiu para a quinta posição na tabela, com 39 pontos ganhos. O Corinthians, que fecha o G-4, tem 40. A Chape segue com 24, na 15ª colocação, a um ponto do Coritiba, primeiro a integrar a zona de rebaixamento. Na próxima rodada, o Tricolor Gaúcho pega o Fluminense no Maracanã, na quarta. O Verdão do Oeste recebe o Atlético-PR na Arena Condá.
Dudu desencanta e põe Grêmio na frente
O placar do primeiro tempo foi magro, dadas as circunstâncias da partida. O Grêmio abriu o placar cedo, com Dudu, que marcou seu primeiro gol no Brasileirão. Comemorou abraçado por Felipão e pelos companheiros, com muita festa. Barcos ajeitou na entrada da área e enfiou para Luan, que chutou em cima do goleiro. No rebote, Dudu mandou a bomba, que ainda desviou em Fabiano, bateu na trave e entrou. Era uma amostra da atuação incansável do camisa 7 gremista, que ainda teve outras chances, mas sem sucesso. Nos primeiros 45 minutos, a equipe gaúcha chegou a nove finalizações. Luan foi o segundo a arriscar mais, porém sem aproveitar. Também deixou a desejar com lançamentos perdidos.
Do lado da Chape, das seis finalizações no primeiro tempo, apenas uma foi com chance real de gol. Aos 45, Fabiano bateu forte e cruzado, para fora. Camilo, com duas chances, complicou a defesa tricolor em alguns momentos, com jogadas rápidas e de habilidade do meio para o ataque. Mas o Grêmio foi melhor e fez valer a superioridade, indo para o intervalo com a vantagem.
Pressão da Chape no fim
Num segundo tempo mais burocrático, cresciam a marcação apertada e os passes errados. O técnico Jorginho mexeu na Chape. Bruno Rangel entrou no lugar de Camilo para tentar aumentar o poder ofensivo. Ainda na etapa inicial, Zezinho havia entrado no lugar de Diones. Enquanto os visitantes buscavam o empate, o Grêmio caía de rendimento. Felipão pôs Fernandinho na vaga de Luan, que não ia bem. Os catarinenses passaram a envolver mais a equipe tricolor. Mas o goleiro Marcelo Grohe, seguro, não deu chances aos atacantes do Verdão do Oeste.
Aos 34 minutos. Felipão sacou Barcos para a entrada de Lucas Coelho. O Pirata havia desfalcado o Grêmio diante do Santos com dores na coxa esquerda e foi confirmado contra a Chape instantes antes do jogo. No time catarinense, Hyoran entrou no lugar de Ricardo Conceição. O Grêmio teve duas oportunidades perdidas por Lucas Coelho, bem defendidas por Danilo. Depois, fechado atrás, o Tricolor sobreviveu à pressão final da Chapecoense. E manteve o resultado conseguido ainda no começo do primeiro tempo.

LUCAS LIMA BRILHA, E SANTOS VENCE O FIGUEIRENSE NA VILA BELMIRO

Robinho e Leandro Damião gol Santos (Foto: Delamonica / Ag. Estado)
O Santos tem um ataque badalado, que conta com nomes como Robinho, Leandro Damião e Gabriel. Mas, neste domingo, quem brilhou foi o responsável por armar as jogadas para eles: Lucas Lima. O meia fez um golaço e deus duas assistências na vitória por 3 a 1 sobre o Figueirense, na Vila Belmiro. Damião e Robinho completaram o marcador, enquanto Giovanni Augusto descontou para os visitantes, em mais um pênalti de bola na mão. Com o resultado, o Peixe chegou aos 33 pontos, a sete do G-4, na 9ª posição no Campeonato Brasileiro. Já o Figueira segue com 26, em 13º, a três pontos do Z-4.
Mas, se serve como consolo, a atuação dos catarinenses é para dar esperança de que o time pode se distanciar da luta contra o rebaixamento. Mesmo como visitante, o Figueirense dominou boa parte do confronto, jogou ofensivamente e não teve melhor sorte por conta das chances desperdiçadas. O Peixe fez a parte dele. Não brilhou, mas foi efetivo e soube fazer os gols.
Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Atlético-MG, quinta-feira, às 20h30, no Independência. Já o Figueira recebe o Corinthians, na quarta, às 22h, no Orlando Scarpelli.
O jogo
Em 25 minutos, 10 finalizações do Figueirense, contra quatro do Santos. Esse número mostra bem o que foi o primeiro tempo do jogo. Os catarinenses pareciam estar em casa. Trocavam passes como queriam, chegavam com perigo, chutavam, driblavam... Teve bola na trave, pênalti dicutível não marcado - mais uma vez a bola na mão... Apático, o Peixe foi totalmente dominado. Os três atacantes não significaram poder ofensivo, pelo contrário.
O que o time santista teve de bom foi a efetividade. Pouco chegou, mas, quando o fez, marcou: com Leandro Damião, de cabeça, após cruzamento de Lucas Lima, aos 40. Mas o gol não mudou a partida. O Figueira seguiu em cima e chegou ao empate aos 48, em pênalti (outra bola na mão) cobrado por Giovanni Augusto. Justiça pelo que a equipe jogou na etapa inicial.
O segundo tempo não teve nada de muito diferente do que foi o primeiro. Mais uma vez quem estava na Vila viu o Figueirense tocar bem a bola e ser melhor que o Santos em quase toda a etapa. Mas também viu a eficiência do Peixe, que chegou ao segundo gol em lindo chute de fora da área de Robinho, aos 11 minutos, após boa jogada de Lucas Lima.
A vantagem não fez o time paulista se impôr em campo. Pelo contrário. O Figueira seguiu bem no confronto e desperdiçou ótimas chances. Everaldo até perdeu gol na cara de Aranha. Pouco depois, aos 43, Lucas Lima mostrou como se faz, com toque por cima de Tiago Volpi, fechando o placar.  E garantindo mais três pontos para o Santos, apesar da atuação apagada. O sonho de encostar no G-4 segue vivo.

ADEUS, TABUS! VITÓRIA IGNORA HISTÓRICO, VENCE BA-VI DE VIRADA E COMPLICA RIVAL

Bahia x Vitória (Foto: Romildo de Jesus / Futura Press)
Um dia para implodir tabus. Esse foi o domingo do Vitória. Na lanterna do Campeonato Brasileiro, o Rubro-Negro tinha contra si muitos números. Mas, diante de 25 mil torcedores, tratou de mandar às favas os números e tabus para fechar o torneio particular de Ba-Vis de 2014 mostrando que quem ri por último ri muito melhor. Na Arena Fonte Nova, o Leão da Barra venceu de virada o Bahia pelo placar de 2 a 1, em partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Kadu e Luiz Gustavo balançaram as redes pelo time de Ney Franco. Kieza descontou para o Tricolor.
O último triunfo do Vitória diante do maior rival na Série A tinha acontecido em 2003. Apesar dos longos anos, o número de jogos neste período era pequeno: apenas três. Em números absolutos, outra marca incomodava: o Leão não vencia o Bahia havia oito partidas. O úlltimo triunfo sobre o rival havia sido no dia 12 de maio de 2013, na goleada de 7 a 3 pelo Campeonato Baiano, também na Fonte Nova. Só neste ano, foram cinco clássicos, com dois triunfos do Bahia e três empates. Além disso, Ney Franco nunca havia vencido um Ba-Vi. Neste domingo, o Vitória tratou de mudar a história e, com uma atuação perfeita, saiu de campo merecedor do resultado. De quebra, o Leão deixou a lanterna do Campeonato Brasileiro e ainda ultrapassou o Bahia, adversário direto na luta contra o rebaixamento.
Com o resultado, o Rubro-Negro chegou a 24 pontos e subiu para a 14ª posição - pela primeira vez em sete rodadas, deixa a zona de rebaixamento. Já o Bahia manteve os 23 pontos e agora é o 18º colocado. Na próxima quinta-feira, o Vitória vai até São Paulo enfrentar o Palmeiras, no Pacaembu. O Tricolor joga um dia antes, na quarta, outra vez na Fonte Nova, desta vez diante do Sport.
Ba-Vi elétrico de Kieza e Kadu
Bahia e Vitória começaram o clássico com emoção digna de suas grandezas: antes dos dez minutos de jogo, as duas torcidas gritaram gol. Aos cinco, a defesa do Vitória bateu cabeça, e Pará achou Kieza livre de marcação para abrir o placar. A torcida tricolor ainda comemorava, quando o erro mudou de lado. A defesa do Bahia falhou, e Lomba saiu mal. O suficiente para Kadu empurrar para as redes e empatar três minutos depois. Após o gol, o Vitória melhorou na partida e passou a criar mais. Dono do meio-campo, Richarlyson distribuiu as ações pelo lado vermelho e preto. Dinei, Roger Carvalho e Léo Gago ameaçaram por suas equipes, e o primeiro tempo chegou ao fim com um Vitória melhor e dono das ações, diante de um Bahia que viu na velocidade de Rafinha sua opção de fuga.
Ba-Vi de um time só
O Tricolor começou o segundo tempo tentando reagir. Kleina trocou Léo Gago por Maxi Biancucchi, e a atuação da equipe melhorou em relação ao primeiro tempo. Ainda assim, o Bahia seguia dando espaços. Em um desses erros, Luiz Gustavo chutou fraco de fora da área, a bola bateu na trave, nas costas de Lomba e morreu no fundo das redes. Com o gol, o Vitória cresceu e encurralou o seu maior rival. Como numa luta de boxe, restou ao Tricolor sofrer nas cordas diante da superioridade do maior rival. Acuado, o Bahia quase levou o terceiro, após cabeçada do baixinho Juan e, assim como na primeira etapa, tentou usar a velocidade para chegar ao gol. Destaque pelo esforço, Rafinha chegou perto do empate, mas o Tricolor não teve inspiração semelhante dos demais atletas. No fim, restaram tentativas desesperadas de um time que jogou pouco, diante da cadência de um Vitória que soube ser vibrante, calculista e decisiva para vencer.

CARLOS BRILHA, E GALO QUEBRA DOMÍNIO DO LÍDER ABSOLUTO CRUZEIRO NO MINEIRÃO

Até este domingo, quando encerra a 23ª rodada do Brasileirão, nenhum time havia vencido o líder absoluto Cruzeiro no Mineirão. Aliás, nenhum time havia vencido a equipe celeste no Gigante da Pampulha a temporada inteira de 2014. Coube justamente a seu maior rival o belo feito. E o Galo precisou de garra, inteligência e um jogador em tarde inspirada. Com dois gols de Carlos, aproveitou os descuidos do adversário para sair vitorioso por 3 a 2. Diego Tardelli fez o outro gol do Atlético-MG, e Ricardo Goulart e Alisson marcaram os da Raposa. O resultado leva o Alvinegro para mais perto do G-4,. na quinta colocação, com 37 pontos.
A derrota não alterou a situação dos cruzeirenses: continuam na liderança folgada na competição, com 49 pontos, sete a mais que o vice-líder São Paulo, derrotado pelo Corinthians neste domingo também por 3 a 2. A partida acabou marcada também por incidentes nas arquibancadas, principalmente na área da torcida visitante. Apesar disso, a torcida atleticana, que só teve direito a 10% dos ingressos da carga total, fez a festa e saiu do Mineirão comemorando o fato de ter vencido o rival nos dois turnos e quebrado a invencibilidade celeste de 23 partidas no Gigante da Pampulha - o Cruzeiro não perdia uma partida ali desde 1º de dezembro de 2013, quando foi derrotado pelo Bahia..
Na próxima rodada, o Cruzeiro vai ao Couto Pereira enfrentar o Coritiba. A partida será quarta-feira, às 19h30 (de Brasília). O Atlético-MG joga só na quinta, quando, às 20h30, recebe o Santos, no Independência.
Emoções e confusão
Mesmo tendo como adversário o rival Atlético-MG, o Cruzeiro manteve o estilo de jogo ofensivo desde os minutos iniciais. O resultado foi domínio territorial absoluto, e maior posse de bola da Raposa. Mas a superioridade não foi traduzida em gols. Chegou a mandar uma bola na trave, no começo, com Alisson, mas ficou só nisso. Até porque foi o Galo que marcou primeiro. E em dose dupla. Aos 38 minutos, Carlos abriu o placar. Dois minutos depois, Tardelli ampliou. A torcida do Cruzeiro parecia não acreditar no que via, enquanto a atleticana, em meio à comemoração, estourava bombas e soltava sinalizadores, o que fez o árbitro da partida, Marcelo Lima Henrique, paralisar a partida por dois minutos.
Ao Cruzeiro não restava outra opção a não ser se mandar para o ataque. O prêmio pela coragem surgiu com um gol de Ricardo Goulart aos 46 minutos, depois de jogada de Éverton Ribeiro. O gol devolveu a Raposa ao jogo e deixou muita expectativa e emoções para o segundo tempo.
Sangue-frio
Era a injeção de ânimo da qual o Cruzeiro precisava. O time azul voltou com tudo em busca do empate, repetindo a blitz no início do primeiro tempo. O gol não demorou a sair. Aos seis minutos, Alisson marcou de voleio e mudou o panorama da partida. O técnico Levir Culpi pôs  Josué no lugar de Luan e deixou mais forte a marcação atleticana. O meio-campo congestionado dificultou a vida da Raposa, que dava espaços para o rival contra-atacar. E num rápido ataque nos acréscimos do jogo, saiu o gol da vitória atleticana. Leandro Donizete acertou cruzamento perfeito para o garoto Carlos, de cabeça, marcar seu segundo gol no jogo e o tornar herói do clássico. O sangue-frio alvinegro foi premiado com o resultado. Festa da minoria no Mineirão. Os 10% de atleticanos foram para a casa felizes da vida. Afinal, só o Galo venceu o Cruzeiro no Mineirão este ano.

EM JOGO TENSO, CORINTHIANS VIRA NA ARENA, E SÃO-PAULINOS CULPAM ÁRBITRO

guerrero mano corinthians (Foto: Marcos Ribolli)
O Corinthians venceu o São Paulo de virada, por 3 a 2, no primeiro clássico Majestoso da história da Arena, em Itaquera, na tarde deste domingo, pela 23ª rodada do Brasileirão. O peruano Paolo Guerrero foi o melhor em campo, mas não será ele o principal personagem nas conversas entre torcedores nesta segunda-feira. Com dois pênaltis a favor do Corinthians e duas expulsões (uma de cada lado), o árbitro Luiz Flávio de Oliveira foi apontado pelos são-paulinos como o grande responsável pelo placar.
- O que faltou pra gente? Faltou ter o árbitro do nosso lado. Ele conseguiu o que queria, está de parabéns - ironizou o volante Souza.
- Isso é uma vergonha, o Sheik está certo - emendou o meia Ganso, se referindo a críticas do botafoguense Emerson à CBF.
- A arbitragem decidiu o jogo - completou o meia Kaká.
Mas, na opinião do comentarista de arbitragem da TV Globo, Arnaldo Cezar Coelho, Luiz Flávio acertou em todos os lances capitais: os dois pênaltis e as duas expulsões.
O resultado levou o Corinthians a 40 pontos, dois a menos que o São Paulo. O Timão se mantém em quarto, e o Tricolor, em segundo, com o Inter em terceiro (41). Os três seguem na caça ao Cruzeiro, que perdeu para o Atlético-MG e parou nos 49.
A rivalidade provocou tensão. Dentro do estádio, provocações homofóbicas dos dois lados predominaram durante todo o jogo. O público foi de 34.688 pagantes, com renda de R$ 2.405.986,50.
Em campo, duas ausências de última hora: Elias, com uma amigdalite, e Rogério Ceni, que não se recuperou de uma tendinite no joelho esquerdo. Foram substituídos por Danilo e Denis, respectivamente. Alexandre Pato e Jadson, envolvidos numa troca entre os clubes no início do ano, também não jogaram, por conta de uma cláusula em seus contratos de empréstimo.
Os dois times voltam a jogar na quarta-feira, às 22h. No Morumbi, o São Paulo recebe o Flamengo. Já o Corinthians vai a Florianópolis para encarar o Figueirense.
O jogo
Os três gols da etapa inicial surgiram em lances de bola parada, e dois tiveram polêmica. O São Paulo abriu o placar aos 5, em falta muito contestada pelos corintianos. No lance, Kardec tentou passar por Fagner, trombou com o lateral e caiu. Na cobrança, Kaká mandou na área, a zaga corintiana se atrapalhou, e Souza aproveitou para marcar. O empate veio num pênalti igualmente contestado pelos são-paulinos: após finalização de Malcom e rebote de Denis, a bola bateu na mão de Antônio Carlos, que vinha na corrida. Na análise do comentarista Arnaldo Cézar Coelho o árbitro Luiz Flávio de Oliveira acertou ao marcar o pênalti. Fábio Santos converteu e empatou. O único gol não polêmico veio em outra cobrança de falta de Kaká, já aos 44. O meia ergueu na área, e Edson Silva, sozinho, completou para a rede.
O curioso é que as duas únicas finalizações do São Paulo em todo o jogo resultaram em gol. O Corinthians, que teve mais posse de bola (52% a 48%), também finalizou mais: seis vezes até o intervalo. Guerrero, movimentando-se muito e criando espaços para os companheiros, era o destaque - principalmente após a saída de Toloi, machucado, para a entrada de Antônio Carlos, visivelmente sem ritmo de jogo e levando a pior no duelo com o corintiano.
O Corinthians chegou ao empate aos 20 minutos do segundo tempo. Em contra-ataque iniciado por Malcom, Guerrero invadiu a área e, na hora de finalizar, recebeu um carrinho de Alvaro Pereira - jogada que parece ter virado a marca registrada do uruguaio. Com o pé do são-paulino quase na cintura do corintiano, Luiz Flávio de Oliveira marcou o pênalti e expulsou Alvaro Pereira. Fábio Santos, mais uma vez, bateu com precisão: 2 a 2.
A virada veio aos 28 minutos e num bonito lance. Guerrero tabelou com Danilo, recebeu na área e, com leve toque, bateu sem chances para Dênis. Um golaço.
Em vantagem no placar e com um jogador a mais, o Corinthians passou a tocar mais a bola, tentando fazer o tempo passar. Mas a expulsão de Fábio Santos por carrinho em Osvaldo voltou a agitar o jogo. O São Paulo se mandou todo ao ataque. Kardec criou a melhor chance, ajeitando de calcanhar para Michel Bastos bater, mas sem sucesso. Melhor para o Corinthians, que se recupera de seguidos tropeços, vence e cola no rival, pulando para 40 pontos, só dois a menos do que o São Paulo. E a nove do líder Cruzeiro.

SPORT EXORCIZA FANTASMA E BATE COXA, QUE VENDE MUITO CARA A DERROTA NA ILHA

Sport x Coritiba Série A (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
Era tarde de exorcizar fantasmas. Melhor que fosse fácil para o Sport, mas esteve longe disso.  Mesmo com dificuldades, venceu o Coritiba, por 1 a 0, neste domingo, na Ilha do Retiro, pela Série A do Campeonato Brasileiro.  Uma ironia: com gol de Felipe Azevedo, muito contestado pelos torcedores. Diante de um adversário duro, a vitória sobre o Coxa fez bem ao psicológico do time. Os paranaenses vão mal no Brasileirão e o Leão caiu diante de alguns adversários, nessas mesmas circunstâncias em rodadas passadas. Os rubro-negros chegam aos 35 pontos, na oitava posição, e se estabelecem no bolo de cima da tabela de classificação. Já os curitibanos estacionaram nos 23 - estão em 17º - e continuam a luta contra o rebaixamento.
Felipe Azevedo, curiosamente, deu um basta à pouca atividade dos atacantes no confronto. Logo ele, tão criticado nas rodadas passadas, saiu do banco de reservas e assegurou a vitória para o Leão. Com passe preciso de Diego Souza, dessa vez o jogador não desperdiçou.
Na próxima rodada, pernambucanos e paranaenses vão ter adversários em situações distintas na tábua de classificação. O Sport vai até a Bahia, onde enfrenta, na quarta-feira à noite, no estádio da Fonte Nova, o Tricolor da Boa Terra, que patina no Brasileirão - é o antepenúltimo colocado. Os curitibanos voltam a se apresentar em casa, no Couto Pereira, também na quarta, diante do Cruzeiro, líder da Série A.
"Camicases"
Sport e Coritiba fizeram o que se chama no futebol de jogo aberto até a metade da etapa inicial. Na realidade, exageraram no quesito. Como pilotos “camicases”, acharam no ataque um estilo único de digladiar com o rival. Quem detinha a bola, levava perigo. Era difícil até apostar quem abriria o placar primeiro. Ao jogar em velocidade, ambos criaram boas alternativas táticas e, mais do que isso, chances de gol. Eram semelhantes até defensivamente. De tanto se expor, vacilavam na recomposição. Quando o confronto se "acalmou"  e os rivais passaram a atacar com maior cadência, lá trás as coisas ficaram mais fáceis e, a partir daí, com pouca objetividade, os zagueiros dos dois lados conseguiram levar a melhor. E o placar ficou no 0 a 0.
Redenção
O Sport voltou mais ofensivo com a entrada de Ananias no lugar de Ibson. Mais rápido e com a necessidade de vencer em casa,  ocupou o ataque com maior volúpia do que no primeiro tempo. O Coritiba também mudou de postura. Ao ver o desespero do adversário, optou pela cadência e saídas rápidas para surpreendê-lo. O Leão não tinha como esperar e passou a sufocar os adversários, muito bem distribuídos em campo. Num lance que misturou ironia e redenção, Felipe Azevedo saiu do banco de reservas, recebeu um passe de Diego Souza e tocou para o fundo das redes, decretando a vitória rubro-negra.

Brasileirão 2014

Tabela gerada por Central Brasileirão